quarta-feira, 11 de setembro de 2019

"As Jóias de Castafiore" da revista Zorro

O blogue "Páginas de BD" disponibiliza mais um episódio das aventuras de Tintin. Desta vez, trata-se de "As jóias de Castafiore" ("As jóias da Prima-Dona") publicado na revista Zorro entre os números 26 e 87.


sexta-feira, 19 de julho de 2019

Tintin esteve na Lua antes de Armstrong

Tintin pisou o satélite terrestre 16 anos antes dos americanos

Comemora-se, este sábado, meio século dos primeiros passos de Neil Armstrong na Lua, mas a verdade é que Hergé colocou os seus heróis no satélite terrestre 16 anos antes.

Na verdade, foi em 1953 que Tintin desceu as escadas exteriores do célebre foguetão em xadrez vermelho e branco e exclamou: "...pela primeira vez na História da Humanidade ALGUÉM CAMINHOU NA LUA!", como se pode ler em "Tintin e a Lua", a recente edição da ASA, da dupla aventura lunar do repórter belga, que é uma boa oportunidade de recordar ou descobrir a obra mais exigente do criador belga, em termos científicos.

A profunda investigação que esteve na origem do díptico "Rumo à Lua/Explorando a Lua", respetivamente os 16.º e 17.º álbuns na cronologia de Tintin, e que em muitos aspetos antecipou quase duas décadas a missão da NASA, faz com que a obra mantenha grande parte da sua atualidade e a capacidade de prender o leitor pela forma equilibrada como gere o suspense, a ação, o humor e mesmo uma forte intensidade dramática - em momentos como a alunagem ou o regresso à Terra.

Mesmo nos aspetos que sempre mereceram alguma contestação, como a forma do foguetão ou a sua propulsão atómica, foram devidamente escudados por Hergé nas mais recentes invenções da época da criação da banda desenhada, originalmente publicada entre 1950 e 1953. A descoberta de gelo por Tintin foi secundada recentemente pela NASA, e outros detalhes, como a recolha de amostras de rochas lunares, anteciparam a expedição norte-americana que trouxe mais de 300 kg delas para a Terra.

A importância dos preparativos, a perceção da enorme dimensão do projeto, a vida a bordo - sustentada pela maquete do foguetão que Hergé mandou fazer para garantir a credibilidade das sequências - ou a sensação de pequenez do ser humano face à dimensão da Terra e da Lua avistadas do espaço, são outros dos fatores que fazem desta uma obra notável e única.

F. Cleto e Pina in JN

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Caricatura de José Gomes

HOMENAGEM A UM PROFESSOR E AMIGO

Fazer sorrir os amigos é sempre uma oferta especial em datas de aniversário.

Por isso fica o meu desenho em homenagem a Francisco Amaral. Já tinha enviado, em data própria, o desenho capturado pela minha excelente (pffff) câmara de telemóvel...mas, agora segue o desenho digitalizado e com mais brincadeira.

As caricaturas devem (na minha opinião) expressar algo mais do que os traços da pessoa...deve ser um registo de alguma brincadeira que também a caraterize o caricaturado - é assim que penso e que faço.

José Gomes, 14/04/2015


O realizador do programa de rádio "Íntima Fracção", Francisco Amaral, de 68 anos, morreu em Abril de 2019.


sábado, 29 de junho de 2019

7 curiosidades sobre Tintin

No ano em que se comemoram 90 anos da publicação do primeiro volume, recordamos As Aventuras de Tintin e contamos-lhe algumas curiosidades que talvez não saiba sobre a banda desenhada criada pelo belga Georges Remi, mais conhecido por Hergé.
Da ligação a Portugal às acusações de racismo e até à história nunca terminada, as aventuras do jornalista Tintin, que só escreve uma vez em todos os livros, tornaram-se um marco histórico na banda desenhada francófona e conquistaram milhões de leitores nos mais de 50 idiomas para que foram traduzidas.


1. O PRIMEIRO PAÍS ESTRANGEIRO A PUBLICAR
Portugal foi o primeiro país a publicar Tintin numa língua que não o francês. A revista católica O Papagaio – suplemento infantil da Rádio Renascença – publicou Tintin na América a 16 de abril de 1936, na altura com o título Tim-Tim na América do Norte.
Além de ser o primeiro país não francófono a publicar as aventuras do jornalista, Portugal foi também o primeiro país a publicar Tintin a cores, algo nunca feito até então. Só em 1941, quando foi publicado A Estrela Misteriosa, é que Tintin passou a ser originalmente a cores.

2. TINTIN... PORTUGUÊS?
Como havia o hábito de aportuguesar traduções, nas primeiras décadas em que foi publicado em Portugal, Tintin tornou-se um repórter português enviado pelo O Papagaio, onde surgiu primeiro, ou pelo O Diabrete, onde foi publicado depois, para cobrir vários eventos pelo mundo.
O caso mais notório foi a aventura Tintin no Congo, que foi transformada em Tim-Tim em Angola, já que o Congo era colónia belga e Angola era portuguesa. Além disso, na mesma aventura, a aula de Geografia que mostra o mapa da Bélgica foi substituída por uma aula de Matemática.


3. MILOU: CÃO OU CADELA?
Pode parecer óbvio, mas, em Portugal, o género do fiel companheiro de Tintin, o fox terrier Milou, foi algo que despertou algumas dúvidas. Quando as aventuras começaram a ser publicadas por cá, um erro de tradução deu a entender que Milou seria uma cadela.
Como, em português, Milú soaria a nome de mulher e era também nome da cantora e atriz Milú, que cantava nas emissões radiofónicas de O Papagaio, acabaram por mudar o nome para Rom-rom, algo que se manteve durante vários anos.

4. PAGAMENTO EM GÉNEROS
Durante a Segunda Guerra Mundial, O Papagaio e O Diabrete, periódicos portugueses que publicavam Tintin, pagaram a Hergé… em géneros alimentícios. O pedido foi feito pelo próprio e a comida era enviada não só para Hergé mas também para o seu irmão, Paul, prisioneiro de guerra num campo para oficiais na Alemanha.

5. HERGÉ ERA RACISTA?
Em 2007, um congolês chamado Mbutu Mondondo exigiu que as edições de Tintin no Congo fossem retiradas do mercado ou que incluíssem um prefácio que explicasse o contexto político e cultural da altura.
Isto deveu-se ao retrato paternalista que a história dá aos negros, consequente da visão da época, que Mondondo considerava apologista da colonização e da superioridade da raça branca sobre a negra. O pedido foi rejeitado pela Justiça belga.


6. POLÉMICA NAZI
Aquando da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), durante a ocupação da Bélgica pelos nazis, Hergé criou histórias de Tintin para o Le Soir, jornal alinhado com os ocupantes. Esse facto motivou alguma polémica a que Hergé, na altura, respondeu dizendo que se limitou a continuar a trabalhar no seu ofício, a banda desenhada, como qualquer cidadão.
Apesar de não se ter livrado das acusações de colaboracionismo, nenhuma das suas histórias defendeu o nazismo.

7. HISTÓRIA INACABADA
Quando morreu, em 1983, Hergé estava a trabalhar numa nova aventura de Tintin, Tintin e a Alph-Arte, no entanto não chegou a terminá-la. Chegou a ponderar-se que outros artistas finalizassem a história, mas a ideia foi abandonada e a aventura foi publicada tal como Hergé a tinha deixado: sem um fim.


terça-feira, 25 de junho de 2019

Tintin e a Lua

Os dois episódios da aventura lunar imaginados por Hergé (Rumo à Lua e Explorando a Lua) foram publicados em 1953 e 1954, ou seja, quinze anos antes da missão Apollo 11 (1969) e antes mesmo do primeiro satélite Sputnik (1957). 
Ambos se encontram reunidos neste álbum duplo, lançado especialmente por ocasião do 50.º aniversário dos primeiros passos do homem na Lua (20 de julho de 1969).

Tintin e a Lua, Hergé, Edições ASA, capa dura, cor, 19,90€

domingo, 23 de junho de 2019

Porto tem uma nova livraria Tintimportintim

Até aqui podíamos encontrar a livraria Tintimportintim — dedicada à banda desenhada e sobretudo aos livros das “Aventuras de Tintim”, como o nome poderá sugerir — na Rua da Conceição, no Porto. Foi lá que abriu há 16 anos. Agora,  os donos inauguraram o segundo espaço com este nome na Rua de Santa Catarina, numa zona mais central da cidade.

Há várias outras coleções clássicas de BD, de personagens como AstérixCorto MalteseAlix e Blake e Mortimer — mas o grande destaque vai mesmo para o repórter belga que foi criado por Hergé em 1929.

Esta segunda livraria é mais pequena do que a primeira (tem cerca de 30 metros quadrados) mas, além dos livros, tem um enorme catálogo de merchandise. Ao contrário do espaço original, que tem peças clássicas, antigas e raras, esta tem sobretudo produtos novos, lançados recentemente no mercado. A Tintimportintim é representante oficial da marca.


Há sacos de pano, porta-chaves, canecas, puzzles, calendários, despertadores, postais e figuras em resina e PVC. Algumas são edições limitadas, certificadas e numeradas.

Os preços são muito variáveis: podem ir de meia dúzia de euros até cerca de 500€. Os artigos à venda vão mudando regularmente, até porque a comunidade de colecionadores destas peças as vai adquirindo.

A peça mais cara que está à venda é o foguetão vermelho, que custa 495€ — do livro “Destino: Lua” e que parece um farol que existe em Carnaxide, no concelho de Oeiras. Existe ainda um Tintim enorme na montra da loja. Está avaliado em cerca de cinco mil euros, mas esse não está à venda — é só mesmo para decorar o espaço.

A livraria foi aberta pelos mesmos donos da primeira: Alberto Gonçalves e os dois filhos, Alberto e Cláudia Gonçalves.

NiT falou com o filho sobre a ideia de abrir uma nova Tintimportintim, que está a ser gerida por si.

Estou há um ano a trabalhar com o meu pai na livraria na Rua da Conceição e já falávamos em abrir um segundo espaço há algum tempo. Achámos que era bom abrir em Santa Catarina para conseguirmos ter mais clientes turistas, e também atrair outras pessoas do Porto que não conheciam a original. Isso está a acontecer.”

A decoração do novo espaço está mais moderna e clean — em tons brancos —, apesar de continuar a ter algumas das tais peças antigas. A loja era ocupada por uma florista, que abandonou o local em Janeiro.

A nova Tintimportintim está aberta durante a semana, entre as 9h30 e as 19 horas. Ao sábado há uma pausa para almoço, entre as 13 horas e as 14h30. Fecha ao domingo.

in NiT

domingo, 9 de junho de 2019

Desenho da capa do primeiro livro de Tintim foi vendido por 988 mil euros

Ilustração está assinada por Hergé, criador da famosa personagem das bandas desenhadas. Portugal foi o primeiro país não-francófono do mundo a publicar Tintim, em 1936.

O desenho original usado na capa do primeiro livro da colecção de aventuras de Tintim foi vendido, este sábado, num leilão em Dallas, Estados Unidos, por 1,12 milhões de dólares (cerca 988 mil euros).

A ilustração leiloada este sábado está assinada por Hergé — pseudónimo do cartoonista belga Georges Remi, o criador da icónica personagem —​ e integra a primeira edição dos livros, publicada a 13 de Fevereiro de 1930. Citada pela AFP, fonte da empresa que promoveu o leilão disse que a ilustração vendida era “uma das poucas capas raras nas mãos de um privado”, bem como a mais antiga. 

O desenho a lápis e guache mostra o repórter sentado no cepo de uma árvore cortada, utilizando um canivete para moldar o tronco da árvore numa hélice para o seu avião. Milu, o fiel companheiro de quatro patas, observa o dono, completamente envolvido numa ligadura após o desastre de aviação que teve lugar em território soviético. Esta ilustração foi a primeira na série Tintim no País dos Sovietes, que foi publicada em Portugal em 1999. 

Os livros de aventura (que totalizam 24 álbuns) foram traduzidos em mais de 70 línguas, vendendo mais de 200 milhões de cópias. Portugal foi o primeiro país não-francófono do mundo a publicar Tintim, em 1936 (revista O Papagaio). Foi também o primeiro país onde se puderam ler as aventuras do famoso jornalista a cores, ainda antes de isso acontecer na Bélgica ou em França.

Em 2015, um esboço de Hergé para a terceira vinheta do livro Tintim no Congo foi comprada por 770 mil euros em Paris.

In Ipsilon-Público, 08.06.2019

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Poupe Energia

Nesta pequena publicação da Direcção-Geral de Energia de 1984, podemos ver o Milou e o Quick ou o Flupke.


terça-feira, 21 de maio de 2019

Tintin – A Aventura na Lua – O Conhecimento Científico e a Banda Desenhada


Por João Mascarenhas

Resumo – “Ce qui est admirable, ce n’est pas que le champ des étoiles soit si vaste, c’est que l’homme l’ait mesuré.” Anatole France

A Aventura na Lua de Tintin, publicada inicialmente no jornal belga “Tintin” sob o título “On a Marché sur la Lune” e, mais tarde, em dois álbuns “Objective Lune” e “On a Marché sur la Lune”, é talvez a obra de Banda Desenhada que mais conhecimento científico encerra na sua génese. Baseando-se em obras de referência à altura, Hergé fez-se assessorar de alguns dos maiores especialistas na área. De tal modo exacta em termos científicos, que uma observação atenta dos elementos presentes nas várias vinhetas permite determinar com exactidão diversos detalhes, como por exemplo o tempo de viagem, velocidades do foguetão, o percurso das várias personagens sobre o solo lunar ou altura do ano em que terá decorrido.

Pretende-se com este trabalho, mostrar a cientificidade e o rigor científico colocado na génese e realização desta aventura, questões que poderão passar despercebidas ao leitor menos atento, baseando-me em referências bibliográficas que inspiraram Hergé (de Méliès a von Braun), assim como em trabalhos posteriores de vários investigadores.

Introdução

A aventura na Lua de Tintin, mais concretamente o segundo álbum Explorando a Lua, faz parte das minhas primeiras memórias da Banda Desenhada, já que foi um dos primeiros livros que o meu pai me ofereceu quando aprendi a ler. Sempre me fascinaram todas aquelas vinhetas em que Hergé desenhou o foguetão lunar e as paisagens do nosso satélite natural. De tal forma que ao longo dos anos recolhi literatura que outros autores foram escrevendo a propósito do tema, no sentido de saber mais sobre esta aventura que tanto me tocou. Este bíptico de álbuns (ou a aventura original) até nem consta das preferências da maior parte dos leitores de Tintin, argumentando alguns com o espaço claustrofóbico do foguetão onde se desenrola grande parte da aventura, ou com a falta de uma trama mais complexa como se verifica em vários outros álbuns. Contudo, fui-me apercebendo que na génese da aventura na Lua de Tintin, estavam conhecimentos científicos muito profundos, tendo-se feito Hergé rodear de bons conselheiros em áreas específicas do Conhecimento, de forma a tornar credível esta narrativa. Não se tratava de fazer ficção científica, mas sim uma narrativa científica plausível, à qual Hergé misturou o seu humor literário e visual.

A Génese

Hergé, visionário, tinha já decidido nos finais dos anos 1940 que a Terra era demasiado pequena para o seu herói, e achou que ele seria o primeiro terráqueo a pisar a Lua. A primeira versão da aventura, de que foram desenhadas apenas 15 vinhetas em 1948, tinha argumento concebido pelo jornalista e pintor Jacques Van Melkebeke e a consultoria científica do cronista científico do Le Soir, Bernard Heuvelmans (L’Homme parmis les étoiles). Nesta versão, desenrolada nos E.U.A., o vilão, o Professor Hyppolyte Calys (A Estrela Misteriosa) vendia os planos secretos do foguetão lunar de forma a financiar a compra de um diamante gigante para a actriz Rita Hayworth. Não sendo propriamente uma trama à la Hergé, este rapidamente a abandonou, conservando apenas as cenas do whisky a flutuar pela cabine da nave e a de Haddock, embriagado, a flutuar fora do foguetão.

As Referências Gráficas e Bibliográficas

Hergé assume então a autoria do argumento da viagem de Tintin à Lua, cruzando o Atlântico deixando os E.U.A. e centrando-se nas montanhas da Sildávia, país imaginário dos Balcãs. A história final tem por base científica vários livros que fizeram parte da biblioteca de Selenologia que Hergé foi formando, tendo este afirmado que “ Creio ter lido ou visto tudo o que toca este tema”. Livros como L’Homme parmis les étoiles de Bernard Heuvelmans, Entre Terre et Ciel do professor Auguste Picard, L´humanité devant la navigation interplanétaire de Albert Ducrocq, Notre amie la Lune de Pierre Rousseau fizeram parte dessa biblioteca. Neste último, Hergé pôde consultar mapas das crateras lunares, em especial o do circo Hiparco. Mas o livro do então presidente da Sociedade de Aeronáutica Francesa, Alexandre Ananoff, de título L’Astronautique, Figura 1, tem o papel principal.

Figura 1 – Capa do livro “L’Astronautique” de Alexandre Ananoff 

Este livro figura inclusivamente, de forma discreta, na capa da revista Tintin de 11 de Maio de 1950. São deste livro as descrições da fissão nuclear, da produção de plutónio, o carburante do motor auxiliar, do modelo do escafandro espacial, o foguetão, as torres de montagem, do posto de comando do foguetão, Figura 2, do periscópio estroboscópico, das couchettes individuais dos cosmonautas, Figura 3, por exemplo.

Figura 2 – Posto de Comando da astronave, como idealizado por A. Ananoff em “L’Astronautique”

Figura 3 – Posição do astronauta aquando do lançamento do foguetão, segundo A. Ananoff em “L’Astronautique”

Existe um outro livro de 1947 que, embora não seja muito referido na génese da aventura lunar de Tintin, tem nela um papel muito importante: German Research in World War II, de Leslie E. Simon, Figura 4.

Figura 4 – “German Research in World War II”, Leslie Simon

Na sua capa é representado um foguetão tipo bomba voadora V-2, em tudo semelhante ao foguetão que Tryphon Tournesol concebeu. Este livro acaba por ter maior protagonismo na aventura seguinte – O Caso Girassol – onde Hergé o desenha no interior da casa do Dr. Müller (suprimindo contudo a cruz suástica que o avião da capa ostenta), assim como a Figura 69 da página 182, onde aparece uma foto de uma arma ultra sónica em desenvolvimento pelos nazis, Figura 5.

Figura 5 – Figura do livro de Leslie Simon
Em termos gráficos, uma das inspirações de Hergé (e de Bob de Moor, seu colaborador, logicamente), terá sido o trabalho do artista Chesley Bonestell, Figura 6, no que concerne sobretudo às paisagens lunares.

Figura 6 – Ilustração de Chesley Bonestell

O trabalho de Bonestell era vastamente publicado em livros e revistas da altura (e.g. Collier’s Magazine). Ainda em termos gráficos, no início da publicação da aventura na Lua, a capa da revista Tintin belga, a 30 de Março de 1950, homenageia o filme de 1902 de Georges Meliès, Le Voyage dans la Lune.

O Foguetão

O design do foguetão parece ter sido repartido entre as sugestões mais técnicas de Ananoff e a aerodinâmica das V-2 concebidas por W. F. von Braun. Eventualmente, também o trabalho gráfico de Bonestell poderá ter tido alguma influência, já que as suas representações de astro naves também se assemelham muito às das bombas voadoras alemãs.

Na disposição do interior do foguetão é evidente a influência de Ananoff, ao qual Hergé escreveu uma carta solicitando-lhe algumas informações sobre esses (e outros) aspectos. O motor nuclear auto propulsor a que Ananoff se refere no seu livro, e que inclusivamente o director científico do Comissariat à l’Energie atomique, L. Kowarski, se refere na sua intervenção de 17 de Abril de 1946 no Congresso Nacional da Aviação Francesa, como “pilha atómica” (uma vez que a energia das reacções atómicas pode ser controlada) destinada à propulsão por reacção, é também a solução adoptada por Tournesol, embora este não revele praticamente nada sobre ele. Os problemas de materiais apontados por Ananoff e Kowarski, devido às elevadas temperaturas desenvolvidas pela pilha atómica, parecem ter sido resolvidos por Tournesol, ao inventar um novo material à base de silicone – tournesolite – capaz de lhes resistir. Contudo este motor/pilha tem alguns problemas de contaminação ambiental e dos próprios cosmonautas devido aos isótopos radioactivos do combustível, urânio-235 ou plutónio, que Ananoff contorna através de sugestões que também elas são adoptadas no projecto de Tournesol, conforme este explica em Rumo à Lua. A saber, aquando da descolagem e aterragem (ou alunagem) o foguetão é propulsionado por um motor auxiliar à base de combustíveis não-nucleares, anilina e ácido nítrico, segundo Tournesol. Por outro lado, a protecção da cabine habitável da astronave é isolada do motor atómico através de um escudo protector, por exemplo de chumbo. Em Rumo à Lua, a explicação que Wolff dá ao grupo sobre o fabrico do plutónio que servirá de combustível ao foguetão, é, também, obra de Ananoff. Neste mesmo álbum, a validação de todas estas soluções técnicas adoptadas, em particular o bom funcionamento do motor atómico, é realizado pelo teste do foguetão de ensaio, X-FLR 6 (flaire), dando um excelente “aroma” do que estaria por vir.

Os círculos laranja que existem no piso dos vários andares do foguetão são também eles uma “dica” de Ananoff: o “gás carbónico” (dióxido de carbono), como lhe chamava Ananoff, é um produto da respiração, e o seu excesso no ar, pode tornar-se perigoso para o ser humano. Como o dióxido de carbono é mais pesado que o ar, Ananoff sugere no seu livro que sejam colocados dispositivos (os círculos laranja) no piso das astronaves, Figura 2, de forma a este gás ser recolhido, o que Hergé (ou Tournesol) também adopta(m).

Rumo à Lua

Apesar de não serem visíveis quaisquer treinos específicos para o voo espacial, Tintin, Haddock, Tournesol, Wolff e Milu tomam lugar a bordo do foguetão lunar. Todos sabem que o foguetão partiu da base/centro atómico de Sbrodj, na Sildávia. Hergé confidenciou em Abril de 1972, em Nova York, que “Sbrodj não é mais que a cidade de Brod”, na Croácia, Figura 7.

Figura 7 – Localização da cidade de Brod na Croácia

Aliás, isto poderia, em parte, justificar o padrão de xadrez vermelho e branco (idêntico ao escudo nacional deste país) com que Hergé decorou o exterior do foguetão, não fosse a ilustração da capa do livro de Leslie Simon. Ficamos na dúvida. Contudo, a Croácia, ao sul do lago Balaton que se vê claramente na página 61 de Rumo à Lua, parece ser incompatível com a trajectória ascensional do foguetão. Na página 58 de Explorando a Lua, no regresso à Terra, o foguetão parece contudo apontar ao sul do lago Balaton. Esta aparente discrepância é justificada por C.V. Goldwater pelo facto de na obra de Hergé, e por diversas vezes, locais reais trocarem de nome ou de localização. Assim aconteceu e.g. com o castelo de Cheverny que se tornou no castelo de Moulinsart.

A estratégia de voo adaptada por Tournesol é completamente diferente da que a NASA utilizou para as missões Apollo. Nas missões Apollo, a viagem até à Lua durava cerca de três dias. Após o lançamento, a nave era colocada em órbita terrestre e aí era accionado o motor durante alguns minutos de forma a atingir-se a velocidade de escape (11 km/s ou 40.000 km/h) de forma à mesma sair da atracção terrestre. O resto da viagem era realizado de forma balística, ou seja de motor desligado. O motor só voltava a ser ligado perto do destino, de forma a desacelerar o movimento da nave até esta se colocar em órbita lunar. A partir daqui o módulo lunar descia até à superfície da Lua. No regresso, a desaceleração da cápsula era realizada através do atrito da atmosfera terrestre. Este atrito desenvolve altas temperaturas na superfície da cápsula, cerca de 2.700oC, embora no seu interior a temperatura não ultrapassasse os 40oC.

No caso do foguetão concebido por Tournesol, determinados detalhes são suprimidos. Após a descolagem efectuada com o motor auxiliar, que se revela muito violenta, já que leva à perda de consciência dos cosmonautas (o que pode significar acelerações superiores a 6 g), o motor atómico é ligado até cerca de metade do percurso, incutindo ao foguetão uma aceleração constante. Esta aceleração destinava-se a criar um efeito de gravidade semelhante à terrestre, de forma a permitir aos cosmonautas a sua livre deslocação no interior do foguetão de forma semelhante à que fariam na Terra. Quando a velocidade de escape da atracção terrestre é atingida, ouve-se no altifalante do foguetão alguém da base a dizer que o foguetão se encontra a 8.000 km da Terra e que a velocidade é de 11 km/s (Explorando a Lua, página 3) e duas páginas depois a base anuncia a velocidade de 13 km/s. Portanto, não há dúvida de Hergé sobre este detalhe importante, sublinhando-o por duas vezes. A posição adoptada para os lançamentos (e pouso) pelos cosmonautas na aventura de Tintin é a indicada por Ananoff no seu livro e seria, segundo ele, a melhor forma de evitar a “visão negra” resultante das grandes acelerações a que são sujeitos os cosmonautas nestas alturas. A “visão negra” resulta da falta de sangue na cabeça, pelo facto do coração não ser capaz de bombear sangue suficiente de forma a compensar o fluxo para a parte inferior do carpo, quando este se mantém na posição de “sentado”. Este efeito pode levar à perda de consciência, sabendo-se que uma pessoa não treinada poderá suportar acelerações de 5 g, daí o valor de 6 g que acima apontei.

A meio do percurso o motor foi desligado de forma ao foguetão proceder à manobra de inversão, e ligado novamente de forma a travar o movimento até à aproximação da Lua. A viagem de retorno foi em tudo simétrica à de ida. Neste caso foi o motor auxiliar do foguetão e não a atmosfera terrestre, como no caso Apollo, que assegurou a sua desaceleração antes da aterragem.

Nas missões Apollo, a velocidade das naves era elevada nas vizinhanças da Terra e da Lua e mais baixa no percurso intermédio. Contrariamente, o foguetão de Tournesol impulsionado pelo seu motor atómico acelerava constantemente (aceleração igual à gravidade terrestre para o conforto dos cosmonautas) até cerca de meio percurso, onde atingia a velocidade máxima de cerca de 60 km/s ou seja mais de 200.000 km/h! Esta missão realizou o trajecto Terra-Lua em apenas três horas e meia, a uma velocidade média superior a 100.000 km/h. Roland Lehoucq e Robert Mochkovitch, com base nos dados fornecidos na narrativa, chegam inclusivamente a elaborar o plano de voo da viagem com destino à Lua, que de seguida se mostra:

Plano de voo da viagem de ida
EtapaHora TerrestreTempode VooVelocidade do foguetão [km/s]Distância à Terra [km]Distância à Lua [km]Evento
11h 34m0h 00m 00s00376.200Partida
22h 04m 00s0h 30m 00s11,008.000368.200Descoberta dos Dupondt a bordo
32h 06m 49s0h 32m 49s12,6610.000366.200Tournesol, Tintin e Wolf contemplam a Terra
42h 07m 24s0h 33m 24s13,0010.447365.753Base anuncia ”13 km/s”;Dupont corta o motor
52h 09m 24s0h 35m 24s13,0012.007364.193Reinício do motor; Volta da gravidade
62h 14m 24s0h 40m 24s15,9416.348359.852Corte do motor por Haddock
72h 24m 24s0h 50m 24s15,9425.914350.286Regresso do capitão a bordo
83h 13m 46s1h 39m 46s45,00116.171260.029Base anuncia “45 km/s”
93h 39m 17s2h 05m 17s60,02196.579179.621Velocidade máxima; Inversão do foguetão
103h 52m 09s2h 18m 09s52,45240.000136.200Base comunica distâncias (pag.18)
114h 25m 57s2h 51m 57s32,55326.20050.000Base comunica distâncias (pag.18)
124h 47m 28s3h 23m 28s14,01370.2006.000Base comunica distâncias (pag.19)
135h 04m 26s3h 30m 26s9,90375.0001.000Arranque do motor auxiliar
145h 07m 48s3h 33m 48s0376.2000O Foguetão faz a alunagem

Deslumbrado pela visão da Lua, Dupont chama Dupond para a ver. Inadvertidamente, desliga o motor atómico, eliminando assim o efeito da gravidade provocada pela aceleração constante de 1g. Segue-se uma sequência de vinhetas espectaculares, onde podemos ver os elementos da tripulação a flutuar pelo habitáculo do foguetão. Estas cenas são tanto mais incríveis se nos lembrarmos que na altura ainda não tinha havido nenhum voo espacial tripulado que permitisse testemunhar este efeito. Inclusivamente os primeiros voos espaciais (cerca de dez anos depois) dispunham de espaço tão exíguo no interior das naves que era quase impossível ver os astronautas em tais situações. Hergé retoma então a cena da primeira versão da aventura em que o whisky de Haddock (guardado preciosamente no seu Tratado de Astronomia), livre do efeito da gravidade, abandona o copo onde estava e forma uma esfera líquida flutuante, Figura 8.


Figura 8 – Ilustração de “L’Astronautique”, onde se vê o efeito da falta de gravidade sobre os cosmonautas e líquido.
É então que Adonis faz a sua aparição. A visão do asteróide com cerca de 700 m de comprimento parece não ser novidade para Tournesol, já que este o identifica à primeira vista. Adonis existe de facto, tendo sido descoberto em 12 de Fevereiro de 1936 por Eugène Delporte, do Observatoire Royal de Belgique em Uccle, no local onde Hergé tinha a sua residência. Este asteróide pertence à classe dos que potencialmente poderão chocar com a Terra, contudo a sua órbita é bem diferente da narrada em Explorando a Lua. A aparição deste corpo sideral dá azo a uma série de acontecimentos, alguns deles um pouco à revelia das leis científicas. O cruzamento do foguetão com Adonis, parece ter sido (secretamente) preparado por Tournesol, já que o alarme contra asteróides não soa, contrariamente ao que acontece mais tarde com a aparição de um segundo corpo celeste. Digamos que terá sido um bónus que Tournesol ofereceu aos seus companheiros de aventura. Quando aparece, Adonis está a cerca de 60 km do foguetão, já que aparece em face da Lua (da qual se conhece o diâmetro), e se sabe que o foguetão está a cerca de 35.000 km da Lua. Um cálculo trigonométrico permite então determinar esta distância.

Figura 8 – Ilustração de “L’Astronautique”, onde se vê o efeito da falta de gravidade sobre os cosmonautas e líquido. 

É então que Haddock, inebriado pela “leitura do seu Tratado de Astronomia” decide fazer um passeio espacial de retorno a Moulinsart. Uma nota para os fatos espaciais, que são de igual modo “recomendação” de Ananoff. Contudo, Hergé adaptou o capacete, tornando-o completamente transparente, de forma a permitir ver quem se encontra no interior, mesmo quando as personagens são desenhadas de costas. De notar ainda que Hergé segue um pouco na linha de Georges Meliès no tocante ao vestuário dos cosmonautas: além do escafandro e do macacão azul, os vários elementos da tripulação vestem as suas roupas do dia-a-dia. Tournesol anuncia então à base que Adonis tem um novo satélite de nome Haddock. Dada a grande diferença de massa entre o foguetão e o asteróide, Haddock foi atraído para a órbita deste último. Olhando para a órbita de Haddock em torno de Adonis, ela parece ser circular com um raio cerca de duas vezes o tamanho maior do asteróide, logo cerca de 1,4 km. Aqui existe uma gaffe do autor, já que dada a geometria irregular de Adonis, o seu campo gravitacional será forçosamente heterogéneo. Assim, a órbita do capitão deveria ser mais complexa, fruto das variações do campo de gravidade do asteróide. Outra gaffe prende-se com a velocidade a que Haddock se desloca na órbita em torno de Adonis. Esta velocidade pode ser estimada através das leis de Newton, a partir do raio da sua órbita e da massa de Adonis. Esta velocidade é de cerca 10 ou 20 cm/s, ou seja, inferior a 1 km/h. Como comparação poder-se-á referir que alguns satélites artificiais terrestres se deslocam a 8 km/s e a Lua percorre a sua órbita a 1 km/s. A baixa velocidade a que Haddock se deveria deslocar deve-se à baixa gravidade de Adonis (cerca de 20.000 a 50.000 vezes inferior à da Terra – este grau de imprecisão deve-se ao facto de se desconhecer a densidade exacta do asteróide). Assim sendo, o tempo que Haddock levaria a percorrer a meia órbita desenhada na vinheta, era cerca de 8 horas. A própria órbita de Haddock, considerando a massa do asteróide, a proximidade da Terra e outras incertezas, talvez fosse possível, embora muito perto do limite de instabilidade. Compreende-se então que Hergé tenha ignorado as leis da Física, de forma a garantir um mais vibrante relato da cena, que na versão original publicada na revista Tintin n.º 50 de 10 de Dezembro de 1952, envolvia além do capitão e Tintin, também Wolff, todos no exterior do foguetão.

Uma outra gaffe relativa ao resgate do capitão é quando Tintin, preso por uma corda ao foguetão, que voa com o motor ligado perto de Haddock, grita para Tournesol o desligar. Se se tratasse de um automóvel na Terra, o corte do motor, o atrito dos pneus com o solo e a acção dos travões, com certeza que o parariam. No espaço, onde não existe atrito, o foguetão acelera ou desacelera, em função da acção do motor. Quando o motor é desligado, o foguetão mantém-se à mesma velocidade que tinha aquando do corte, o que provocaria um distanciamento deste em relação ao capitão, logo o resgate seria impossível. De facto, o resgate de Haddock poderia ter sido feito com muito mais calma, mas isso com certeza não teria no leitor o mesmo impacto das cenas do álbum.

Uma cena que também foi suprimida para a versão em álbum, foi uma cena que se passa já com o foguetão em fase de desaceleração para a Lua. Cerca das 4h 20m (hora de Sbrodj), e depois de ter cortado um volume imenso de cabelo aos Dupondt, que tinham tido uma recaída do efeito sofrido em No País do Ouro Negro, Haddock pega em todo aquele cabelo e atira-o por uma vigia. O que aconteceu foi que juntamente com o cabelo estava Milou, que assim é atirado “borda fora”. Tintin, apercebendo-se desta situação, debruçou-se perigosamente pela vigia, de forma a conseguir apanhar ainda Milou pela cauda, já que este corria o risco de ir parar não se sabe bem onde. A discussão tem sido “se aquela vigia comunicava directamente com o espaço sideral” ou “se comunicava para um compartimento interior no foguetão”. Apercebendo-se com toda a certeza da ambiguidade das imagens desta cena, Hergé decidiu retirar toda a sequência da versão em álbum.

Alunagem

A representação que Hergé faz da superfície lunar onde o foguetão pousa, é de facto brilhante. Inclusivamente, o autor teve a oportunidade de a observar por telescópio, no Observatório perto de sua casa.

O foguetão pousa então na superfície lunar, bem no centro do circo Hiparco. O local de pouso ficou entre duas crateras, o que sugere que Tournesol poderá ter desenvolvido um potente sistema de navegação, que permitiu ao foguetão não tombar no relevo acidentado, principalmente se nos lembrarmos que a tripulação estava inconsciente.

Tintin tem então a honra de ser o primeiro a pisar o solo lunar, quase vinte anos antes de Neil Armstrong. A chegada fez-se no quarto crescente da Lua, e estando o circo Hiparco situado ao centro da face visível da Lua, à medida que o tempo foi passando, essa região foi ficando cada vez mais iluminada, correspondendo à passagem para Lua Cheia. Este efeito iria beneficiar a tripulação, caso a estadia na Lua tivesse sido a inicialmente programada de quinze dias terrestres. São exactamente as sombras projectadas pelos elementos da tripulação, que permitiu a Yves Horeau elaborar um plano de deslocação dos vários cosmonautas sobre a superfície lunar. Uma descrição detalhada destas movimentações é dada na revista Les Amis de Hergé n.º39 (2004).

Nessa descrição, o percurso de regresso dos Dupondt ao foguetão faz-se por Oeste e não sobre o percurso de ida, que tinha sido por Este. Isto deve-se ao facto de Hergé ter retirado um episódio publicado na revista, em que os Dupondt se perdiam, e ficavam com falta de oxigénio. O capitão e Tintin iam em seu socorro com oxigénio extra. Após a colocação das novas garrafas de oxigénio nos equipamentos dos Dupondt, Dupont, devido ao débito mal regulado do oxigénio, ficou como louco e apoderou-se de um revólver que Tintin (assim como o capitão) trazia num coldre, e aponta-lhe a arma dizendo que vai disparar sobre ele. Felizmente a arma encravou e não provocou danos maiores além do susto. Hergé, além de retirar esta cena aquando da publicação do álbum, “apagou” de igual modo os coldres que Tintin e o capitão traziam à cintura.

O capitão, assim como Milou ou os Dupondt experimentam todos, quando pisam a superfície lunar, o efeito de uma gravidade seis vezes inferior à terrestre, situação sublinhada por Tintin. Aliás, Tintin toma a acção de um pedagogo ao enunciar igualmente a dimensão do disco terrestre, quatro vezes maior que o lunar, quando este último é visto da Terra, e também ao explicar a razão porque não se ouviu o impacto e a explosão de um meteorito contra o solo lunar bem perto deles, dada a ausência de um meio onde o som se pudesse propagar. Mais adianta a diferença desta situação ocorrer na Terra, onde a fricção da atmosfera leva ao rubro e na maior parte das vezes destrói os meteoritos que penetram na atmosfera terrestre, originando as chamadas “estrelas cadentes”.

Tournesol também não deixou de montar alguns aparelhos na superfície lunar, de forma a realizar algumas experiências e medições. Esta actividade ocupa os cosmonautas durante os dias 3 e 4 de Junho, tal como Tournesol escreve no seu diário: “Wolf e eu consagrámos o nosso dia ao estudo dos raios cósmicos e à observação dos planetas mais próximos.” Tirando partido da ausência de atmosfera, Tournesol mede, na manhã de 6 de Junho, a constante das radiações solares (corresponde à potência recebida do Sol por um metro quadrado de superfície) e faz a determinação dos limites do espectro solar no ultravioleta.

A 6 de Junho, três dias após a partida da Terra, Tintin, Haddock, Wolff e Milou partem à descoberta do circo Ptolomeu, situado a cerca de 100 km do local onde estava o foguetão. Apercebendo-se da existência de uma gruta, logo decidem explorá-la. O capitão e Tintin aventuram-se no seu interior. Vislumbram-se estalactites e estalagmites, o que supõe a existência de três elementos para a sua formação: água líquida, calcário e dióxido de carbono. Não existe calcário na Lua, no entanto, quanto à água a história é diferente. Tintin acaba por cair por um precipício no interior da gruta e encontra gelo – água no estado sólido. A sonda espacial Luna Prospector que pousou na Lua em Janeiro de 1998, tem enviado alguns dados que tem alterado o conhecimento dos cientistas acerca da Lua. Um deles é de que a Lua poderá ter até seis biliões de toneladas de gelo nos pólos. Isto é cerca de dez vezes superior ao que anteriormente se estimava. Não se encontrou água directamente, mas encontraram-se traços consideráveis de hidrogénio nos pólos lunares. No nosso sistema solar a presença deste elemento no solo indica a presença de água. Assim sendo, Hergé poderá ter razão. Na figura seguinte pode-se ver uma análise do hidrogénio na superfície lunar, efectuada pela sonda Lunar Prospector.

Finalmente, e após cerca de sete dias na superfície lunar, e Tintin ter lá deixado uma mensagem “destinada a outros homens que, talvez um dia, consigam aqui chegar”, o foguetão abandona a Lua. “E no astro sombrio, no qual voltou a deixar de haver vida, algumas pegadas testemunham que, pela primeira vez, O HOMEM EXPLOROU A LUA”.

Referências Bibliográficas:

On a Marché sur la Lune, Journal Tintin, Bruxelles, 1950-1953
Objectif Lune, Casterman,1953
On a Marché sur la Lune, Casterman, 1954
L’Austronautique, Alexandre Ananof, F.Brouly, J. Fayard et Cie, Paris, 1950
Entre Terre et Ciel, Réalités- Visions d’avenir, Auguste Piccard, Editions D’ouchy, Lousanne, 1946
Notre Amie la Lune, Pierre Rousseau, Librarie Hachette, Paris, 1943
L’Homme parmi les Étoiles, Bernard Heuvelmans, Gérard Delforge, 1944
Hergé, Pierre Assouline, Gallimard, 1998
German Research in World War II, Leslie E. Simon, John Wiley & Sons, Inc, New York, 1947
Mais où est donc le temple du Soleil?, Enquête Scientifique au Pays d’Hergé, Roland Lehoucq et Robert Mochkovitch, Flammarion, Paris, 2002
Les Amies de Hergé, n.29, Juin, 1999
Les Amis de Hergé, n.39, Novembre 2004

Comunicação realizada no dia 23 de setembro de 2011 nas 1.as Conferências de Banda Desenhada em Portugal, realizadas no Institut Français du Portugal, sob organização de Pedro Moura

in Bandas Desenhadas