domingo, 17 de junho de 2018

Ronaldo no país dos sovietes

Aproveitando a presença de Portugal no Mundial de futebol na Rússia, a SIC está a apresentar um conjunto de reportagens sobre aquele país com o título genérico "Ronaldo no país dos sovietes" que nos faz lembrar a primeira aventura do Tintin.


domingo, 10 de junho de 2018

O museu aeronáutico Aeroscopia, em Toulouse (França), acaba de inaugurar uma exposição dedicada à relação das aventuras de Tintim, criadas por Hergé, com o universo da aviação. Criada em colaboração com o Museu Hergé, "Tintin et Ses Avions", que estará ali patente até Janeiro de 2019, explora vivências da personagem de BD com diversas etapas da história da aviação, envolvendo não apenas pranchas e esboços, mas também uma colecção de cerca de 50 modelos de aeronaves. Um dos núcleos da exposição recorda a criação do álbum "Voo 714 Para Sidney".

Revista E, suplemento do Expresso de 10.06.2018

sábado, 9 de junho de 2018

A revista Tintin faz 50 anos

"A revista dos jovens dos 7 aos 77 anos". Assim se apresentava, logo no primeiro número, a revista Tintin portuguesa. Chegou às bancas a 1 de Junho de 1968 e mostrava o melhor da banda desenhada franco-belga. O nome vinha do herói da BD belga, Tintin, o repórter criado por Hergé em 1929. Ao longo de 15 anos, foram publicados cerca de 750 números com histórias aos quadradinhos que deliciaram pequenos e graúdos. A revista é agora reeditada para celebrar a data e os seus números são recordados numa exposição. 

Foi através das suas páginas a cores que os portugueses conheceram personagens como Tintin, Blake e Mortimer, Alix, Clorofila, Astérix, Lucky Luke, Ric Hochet, Corto Maltese e Valérian. A publicação era semanal e tinha diversas rubricas, entrevistas e artigos, que permitiram aos leitores portugueses alargar os seus conhecimentos em BD. 

Vasco Granja, que viria a ser um importante divulgador de filmes de animação na RTP, foi uma peça fundamental para o sucesso da revista, ao integrar a equipa editorial, escrevendo e traduzindo artigos.

O título foi detido até 1974 pela Livraria Bertrand e passou depois para a Livraria Internacional no Porto que, devido a problemas financeiros, fechou a revista em 20 de Outubro de 1982. A história "Tintim no país dos sovietes" ficou incompleta, devido ao encerramento da revista.

A Tintin divulgou também autores portugueses, como Fernando Relvas, autor de O Espião Acácio, uma crónica humorística da I Guerra Mundial, publicada originalmente pela revista em 1978 e que agora, 40 anos depois, é reeditada integralmente e chega às livrarias pela mão da Turbina Associação Cultural, sob o selo Mundo Fantasma

O lançamento coincide com a exposição que comemora os 50 anos da revista Tintin, patente na galeria da Bedeteca da Amadora, até 1 de Setembro, organizada pela Câmara Municipal da Amadora em parceria com o Clube Português de Banda Desenhada. A mostra "Revista Tintin, 50 anos" apresenta originais, todos eles pertencentes à colecção do município, dos autores José Ruy (com Dinis Machado), José Garcês, Augusto Trigo (com Jorge Magalhães) e Fernando Relvas, que faleceu em 2017. 

A revista de banda desenhada Tintin tornou-se um valioso título, procurado por coleccionadores e antigos leitores. A colecção completa pode valer mais de mil euros.

In Jornal de Negócios

sábado, 2 de junho de 2018

Desenhos de Tintin vendidos por 364.000 euros

Desenhos originais de um livro de banda desenhada das aventuras de Tintin, "Carvão no Porão", foram hoje leiloados por 422.000 dólares (364.000 euros) em Dallas (Texas, sul dos Estados Unidos), divulgou a casa de leilões Heritage Auctions.

As duas tiras de banda desenhada, assinadas pelo "pai de Tintin" Hergé, foram adquiridas por um coleccionador de Bruxelas que "deseja permanecer anónimo", indicou, em declarações à agência noticiosa francesa France Presse (AFP), um porta-voz da leiloeira, Eric Bradley.

O leilão de hoje foi transmitido em direto em vários locais, nomeadamente na sede da casa de leilões holandesa Heritage Auctions, perto de Utrecht (centro da Holanda).

Dias antes do leilão, a Heritage Auctions antevia que as ilustrações, desenhadas à mão por Hergé em 1957, uma a lápis (35,2 x 50 cm) e a outra a tinta da china (30,7 x 47,7 centímetros), poderiam render entre 720.000 e 960.000 dólares (entre 618.000 e 825.000 euros).

O valor alcançado hoje acabou por estar abaixo destas expectativas.

Nas tiras divididas em doze vinhetas, vê-se o Tintin, o Capitão Haddock, o seu fiel companheiro Milou e o piloto estónio Piotr Szut com uma pala preta no olho, a olhar para o mar.

Sob os seus pés, nas profundezas do oceano, um mergulhador tenta prender uma mina ao navio, antes de ser atingido por uma âncora, que o deixa inconsciente.

É raro os desenhos originais de Hergé serem colocados no mercado, porque o artista não os ofereceu, senão ocasionalmente, como presentes, a amigos próximos, segundo a Heritage Auctions.

Tintin é uma estrela incontestada dos leilões. Um desenho em tinta da china para as capas dos álbuns publicados de 1937 a 1958 foi vendido por 2,65 milhões de euros em 2014, o que foi considerado um recorde mundial.

In DN

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Dois desenhos raros do Tintim vão ser leiloados no sábado

Desenhos originais do livro de banda desenhada das aventuras de Tintin "Carvão no Porão" vão ser leiloados no sábado, nos Estados Unidos, numa sessão que deverá chegar às centenas de milhares de dólares.

Ambas desenhados à mão pelo artista belga Hergé em 1957, estas ilustrações, uma a lápis (35,2 x 50 cm) e a outra a tinta china (30,7 x 47,7 centímetros), poderão render entre 720.000 e 960.000 dólares (entre 618.000 e 825.000 euros), de acordo com a casa de leilões Heritage Auctions, que as colocou à venda em Dallas, no Texas.

A empresa de leilões vai transmitir o evento em direto, a partir da sua sede holandesa, perto de Utrecht (centro).

Os dois esboços representam a página 58 das aventuras do famoso repórter da poupa loura, no 19.º álbum do Hergé, publicado em 1958.

No início desta prancha, dividida em doze vinhetas, vê-se o Tintin, o Capitão Haddock, o seu fiel companheiro Milou e o piloto estónio Piotr Szut com uma pala preta no olho, a olhar para o mar.

Sob os seus pés, nas profundezas do oceano, um mergulhador tenta prender uma mina ao navio, antes de ser atingido por uma âncora, que o deixa incosncente

Estas pranchas "são excelentes exemplos da técnica de desenho da linha clara", o estilo gráfico rigoroso em que se destacou Hergé, salientou o especialista belga em banda desenhada Eric Verhoest.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Figuras de Tintin #58: Haddock coberto de tinta

Na companhia de Tintin, Haddock chega à Sildávia, ao Centro de Investigações Atómicas de Sbrodj, convidado por Girassol, que está a preparar o seu foguete lunar. Enquanto visita as instalações vestido com o fato-macaco regulamentar, um gesto descontrolado do professor leva alguém a esguichar-lhe um jorro de tinta escarlate, aliás, de muito bom gosto. Com a cara, o dorso e o boné manchados de vermelho, nem conseguiu livrar-se do cartaz muito elucidativo que leva pendurado no pescoço. 

A referência desta figura encontramos na vinheta D2 da prancha 16 do episódio "Rumo à Lua".

Figuras de Tintin #58: Haddock coberto de tinta, livro de 16 pp. + estatueta + passaporte, Moulinsart, distribuição em Portugal pela Altaya, 12,99€


quarta-feira, 23 de maio de 2018

Figuras de Tintin #57: Cabo Díaz um terrorista desastrado

O cabo Díaz pertence ao exército de San Teodoro. Despromovido de coronel para cabo pelo general Alcazar, Díaz é incapaz de suportar uma tamanha humilhação. Assim, não hesita um segundo em pôr a mascarilha de uma sociedade secreta para perpetuar a sua vingança contra o general, o que acaba de beneficiar Tintin. Este desastrado aprendiz de terrorista chega sempre atrasado ao atentado ou mal equipado. É um incompetente na arte de matar. Um relógio desregulado acaba de vez com a sua conspiração. Vítima da sua máquina infernal, Díaz acaba por rebentar!

A referência da figura desta entrega situa-se na vinheta D4 da prancha 23 do episódio "A orelha quebrada".

Figuras de Tintin #57: Cabo Díaz um terrorista desastrado, livro de 16 pp. + estatueta + passaporte, Moulinsart, distribuição em Portugal pela Altaya, 12,99€


sexta-feira, 18 de maio de 2018

Mário Cláudio: "Tintin jamais escreveria as suas memórias"

O escritor Mário Cláudio radicalizou o tema do seu novo livro e recriou alegadas biografias de heróis da banda: Corto Maltese, Bianca Castafiore e Príncipe Valente.

Não é a primeira vez que Mário Cláudio escreve memórias, afinal já inventou um poeta com princípio, meio e fim de vida, que foi Tiago Veiga, só palpável em livro. Desta vez, em Memórias Secretas, recria a biografia de três personagens de banda desenhada: Corto Maltese, Bianca Castafiore e o Príncipe Valente. E Tintin poderia ter sido recriado? O escritor diz que não: "Tintin jamais escreveria as suas memórias, e muito menos as secretas. Um eunucóide não tem vida sexual, pièce de résistance desse género literário." Um livro inesperado, até para o próprio autor.

[...]

Como foi traduzir o "mau estilo" de Bianca Castafiore nas suas Memórias?

Castafiore encarna um mito tragicómico, não um sex symbol. O distanciamento mostrar-se-á aí, talvez, um pouco maior, mas sem anular o respeito alegre, e a compaixão cristã, que a senhora merece. Adora-se aquela mulher, como uma tia que nos leva ao McDonald"s, ou como uma diva que se presenteia com uma corbeille de flores, mas que irá alimentar, depois, uma série de anedotas: o excesso de peso, os caprichos da vedeta operática, ou os amores serôdios.

Era impossível não escarnecer de Mussolini no encontro de ambos?

Mussolini constitui o reverso negro de Bianca Castafiore: igualmente ridículo de empáfia, semelhantemente volumoso de proporções, e não muito diverso na terribilità mediterrânica. Mas Mussolini não faz rir, ou quando o faz, conduz a que o riso se nos gele nos lábios. Aquilo que possa ter de burlesco resultará, no meu texto, do contágio com a prima donna e dos excessos que ambos repartem entre si, sem se darem conta disso. O episódio das mamas de Bianca, gulosamente cobiçadas pelo Duce, foi um acaso que saudei com aquele gosto que experimenta um escritor, quando lhe salta ao bico da pena algo que o surpreende e o delicia.

Conseguiu apurar qual o bolo que mais encantou Castafiore: éclairs, babás, merengues ou duchesses?

Ela delirou com as duchesses, e isto numa época em que não era obrigatório ir aos pastéis de Belém. As duchesses deram-lhe certeiramente no goto, planturosas como poucas maravilhas da pastelaria, e proporcionadoras do êxtase da ulterior lambidela dos dedos.

[...]