quinta-feira, 5 de abril de 2018

Já abriu a primeira loja oficial do Tintin em Portugal

Lisboa acaba de receber a primeira loja oficial do Tintin. Fica na Rua da Junqueira, em Belém, e tem todas peças, livros e acessórios que pode imaginar sobre o mais famoso repórter do mundo. 

A nova loja de Lisboa é uma das 12 oficiais do Tintin e que estão espalhadas pelo mundo. Existem muitas outras, mas não vendem exclusivamente a marca Tintin. Se já passou pelo espaço original em Bruxelas, na Bélgica, vai perceber que muitas daquelas peças também existem por aqui — tal como os preços, que são pouco simpáticos. O famoso foguetão que levou Tintin à lua, por exemplo, custa mais de mil euros. Mas também existem porta-chaves a 3,20€. 

A parede do fundo da loja está forrada com todos os títulos do Tintin e em várias línguas, como inglês, espanhol, francês ou, claro, português.

Nathalie e Louis, proprietários da loja, mudaram-se para Portugal há quase um mês, mas já tinham comprado aquele espaço há um ano. Aquela antiga oficina de carros — que funcionou na década de 60 — estava bastante degradada, por isso, as obras acabaram por se prolongar durante todo este período. 

A ideia de abrirmos esta loja surgiu em Bruxelas, quando nos começámos a aperceber que os portugueses e brasileiros conhecem bastante bem o Tintin, e apreciam muito os seus livros. Mas, na verdade, a relação entre o Tintin e Portugal já é de longa data. Portugal foi o primeiro país no mundo a traduzir as aventuras do Tintin, ainda antes da guerra, por volta de 1936.”

É verdade, os portugueses tiveram o primeiro contacto com o jovem repórter através da publicação portuguesa “O Papagaio”. Essa foi a primeira internacionalização da banda desenhada de Hergé em língua estrangeira. Mais: foi em Portugal que os seus desenhos apareceram pela primeira vez a cores.

A banda desenhada foi originalmente criada em 1929, pelo belga Georges Prosper Remi, mais conhecido por Hergé. A primeira vez que o público teve contacto direto com Tintin foi no “Le Petit Vingtième”, um suplemento do jornal “Le Vintième Sècle”, dedicado aos miúdos.

A série de sucesso começou por ser publicada em semanários de vários países. Mais tarde, cada história foi reunida em livros. Depois, ganhou uma revista própria com grande tiragem – Le Journal de Tintin —, foi adaptada a versões animadas para televisão, para o teatro e, mais recentemente, para o cinema. Hoje em dia, os livros do repórter são traduzidos para mais de 50 línguas e já venderam 200 milhões de exemplares. 

In NiT