segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Tintim assinala entrada do euro

Para assinalar o fim do franco belga e o nascimento do euro, os correios da Bélgica vão emitir dois selos, ainda com o valor facial nas duas moedas, com um dos mais marcantes personagens do imaginário infantil (e não só): Tintim, "o repórter que nunca escreveu uma linha". Os selos e o correspondente bloco, que serão postos à venda precisamente hoje, celebram igualmente um outro aniversário: os 70 anos da edição do álbum "Tintim au Congo" e, por isso, reproduzem pormenores da primeira capa e da capa actual do álbum que, em Portugal, foi editado pela primeira vez em 1939, na revista "O Papagaio", com o título "Tim-Tim em Angola". Sendo um dos mais contestados da carreira de Hergé, devido a uma pretensa visão racista e colonialista do autor, na época ainda muito influenciado pelo conservador director do jornal "Le Petit Vingtiéme", onde Tintim viveu as suas primeiras aventuras, tal como "os primeiros argumentos e cenários criados por Hergé, pelo seu carácter simplista, rudimentar, senão mesmo caricatural, deve ser lido como uma obra da juventude", como refere Rita P. Ramos num longo e interessante estudo sobre o álbum publicado no nº 1 da III série da revista "Quadrado".

Uma amizade duradoura .
Segundo os correios belgas, "esta emissão pretende ser também uma modesta mas muito atraente contribuição para a amizade duradoura que une a Bélgica à República Democrática do Congo", pelo que estes dois selos do correio serão igualmente emitidos neste último país..
Esta não é, no entanto, a primeira vez que a célebre criação de Hergé é alvo de tal homenagem. A primeira aparição de Tintim em selos (conjuntamente com Milou e o Capitão Haddock), aconteceu em 1979, já na Bélgica, naquele que seria o primeiro selo da série "Philatélie de la Jeunesse," dedicada aos heróis dos quadradinhos daquele país, série essa que se tornaria anual a partir de 1986, e por onde já passaram, entre outros, Spirou, Lucky Luke, Blake e Mortimer, Boule e Bill, Gaston Lagaffe, Cubitus, Ric Hochet ou Luc Orient..
Vinte anos depois, 1999 podia quase ser classificado como o "ano Tintim" no que respeita à filatelia. De novo na Bélgica, numa folha intitulada "Volta ao século XX em selos", encontramos de Tintim, agora como o manipulador de uma marioneta que é nada mais nada menos do que... Hergé, o seu autor. No mesmo país, o bloco de nove selos comemorativo dos dez anos do Centre Belge de Bande Dessinée reproduzia criações de oito autores belgas já falecidos e uma fotografia com a réplica do foguetão em que Tintim foi à Lua. A viagem espacial de Tintim foi também o tema escolhido pela Holanda para um bloco com dois selos e, ainda no mesmo ano, em Angola, a emissão não oficial "Countdown to the Millenium" assinalava o ano de 1929 com um fotograma do desenho animado "Tintim e o Templo doSol"..
Também a França homenageou Tintim, no ano 2000, na segunda edição da sua "Fête du timbre", através da emissão de um selo, um bloco e uma folha miniatura. Esta "festa" anual tivera início um ano antes, com Astérix, e prosseguiu em 2001 com Gaston Lagaffe, estando previsto um selo dedicado a Boule e Bill para Março de 2002. Como curiosidade, refira-se que o selo com Tintim foi o de maior sucesso, pois vendeu 15 milhões de exemplares contra "apenas" 9,6 milhões do selo Astérix..

© 2001 Jornal de Notícias; Pedro Cleto