segunda-feira, 25 de março de 2019

Sabe o que é aquele foguetão gigante do Tintim que está em Carnaxide?


Com a tradução portuguesa de “Objectivo Lua”, o 16.º livro das “Aventuras de Tintim“, editado em 1953, foi um dos mais populares volumes de sempre da série de quadradinhos do cartonista belga Hergé. A obra que explorava a possibilidade de viagens espaciais tinha todos os ingredientes para o sucesso: as personagens já admiradas por milhares de fãs, o mistério do espaço e um incrível foguetão vermelho e branco, que se viria a tornar numa imagem icónica da obra.


Há vários anos que milhares de moradores ou trabalhadores na Grande Lisboa se debatem com uma enorme dúvida existencial: como é que este foguetão do Tintim foi parar à Serra de Carnaxide, em Oeiras?

Claro que não é “o” foguetão, todos sabemos (não custa sonhar). Mas as semelhanças são incríveis, suficientes para fazer estas comparações e encher o Instagram com piadas.

A NiT lançou-se por isso numa missão onde o objetivo não era a Lua, mas igualmente difícil: saber exatamente o que é aquele equipamento; de onde veio, para o que serve, porque ali está, desde quando e, em nome de Milu, por que é tão parecido com o foguetão vermelho e branco dos livros do Tintim.

Não foi fácil, dizíamos. Primeira paragem: junta de freguesia de Carnaxide, o poder mais localizado. Que nos remeteu para a Câmara de Oeiras. Que nos deu algumas respostas, mas nos remeteu para a Direção de Faróis, porque o Marco Geodésico de Carnaxide (o nome aproximado que tínhamos), é afinal um farol, situado num marco geodésico.


E entre estas duas entidades, conseguimos então desvendar o mistério.

Explica-nos a Câmara que o Farol da Mama, Marca da Mama ou Mama Sul é um farol português que se localiza na Serra de Carnaxide, concelho de Oeiras, distrito de Lisboa, a cerca de quatro quilómetros a noroeste do Farol do Esteiro.

O farol, adianta a mesma fonte, consiste num monumento branco com três pés, estando a lanterna instalada numa plataforma elevada.

Juntamente com o Farol da Gibalta e o Farol do Esteiro, estes três equipamentos constituem o enfiamento sul da Barra de Lisboa, que fazem uma triangulação.

A Marca da Mama, onde ele se situa, já existe desde 1857, segundo os registos disponíveis, constituindo a marca posterior da Barra Sul do Porto de Lisboa.

Ou seja: é um farol, instalado num Marco Geodésico. E o que é um Marco Geodésico? São construções cilíndricas, também chamadas de talafes, em formato cónico, que marcam uma posição cartográfica exata. Integram sempre uma rede de triangulação com outros marcos e existem sempre em locais elevados.

Em 1995, o farol no marco foi então iluminado com uma lanterna direcional Tideland e, como estrutura de apoio à navegação, passou para jurisdição da Autoridade Marítima Nacional, operacionalizada pela Direção de Faróis.

Esta entidade oficial ajudou a NiT a unir os pontos que faltavam: o Farol do Marco da Mama está unido ao marco e está em pleno funcionamento, sendo um assinalamento de referência no enfiamento da entrada da Barra de Lisboa.

Sobre o seu aspeto de foguetão de Tintim (que até é recente, mas já lá chegaremos), a Direção de Faróis explica que a grande maioria dos assinalamentos marítimos (faróis, farolins, bóias, balizas) apresentam cores, listas, formas ou padrões que conferem a “conspicuidade da estrutura” para que ela seja vista de forma mais fácil ao longe. 

Mas a entidade assume as semelhanças, ainda que sejam puras coincidências. “A forma atual do farol de facto remete para a imagem que refere, contudo nem sempre teve esta forma. Por vezes existe a necessidade de alterar, substituir ou reconfigurar as marcas de assinalamento devido a vários fatores. Neste caso teve a ver com a construção imobiliária a desenvolver naquele local. Daí a necessidade de elevar a estrutura e alterar a configuração do farol”.

Ou seja, o misterioso aspeto surgiu após umas obras, de mudança de luz e de elevação do Farol, para lhe dar mais visibilidade à medida que a sua área envolvente ganhava cada vez mais urbanizações.

Em outubro de 2010, o Farol da Marca da Mama foi apagado e retirado todo o equipamento luminoso, adianta a Direção. A torre foi então intervencionada e aumentada em 14 metros a partir da plataforma onde estavam montados os equipamentos antigos, totalizando assim uma altura de 13,20 metros. E foi pintada de listras vermelhas. Atualmente encontra-se equipado com uma ótica de LED.

Nos livros de Tintim, a origem do famoso xadrez vermelho e branco do foguetão estava ligada diretamente a uma prática estabelecida pelos engenheiros da NASA para medir os movimentos de rotação durante o lançamento dos seus foguetões, que o livro quis replicar.

Na Serra de Carnaxide, as riscas brancas são meramente decorativas. Infelizmente, o espaço não pode ser visitado.

In NiT

Sem comentários:

Publicar um comentário